Por que escrevo isso?


Enquanto liamos as mensagens na lista, percebemos que tod@s viam a necessidade termos uma busca melhor no estúdio livre.

Este foi o ponto de partida para começarmos a estudar a interface do EL e que nos levou à seguinte pergunta, que aos poucos tentamos responder: Como fazer uma busca melhor nesta interface caótica?

Já estavamos reorganizando o núcleo do código do estúdio livre e já estavamos trabalhando em diagramas de arquitetura da informação como um primeiro passo para resolução de nosso problema de busca. Mas qual seria nosso próximo passo? Precisávamos abstrair o que temos, entendendo a história do sítio porém, sem ficarmos presos à sua estrutura.

Percebemos que uma busca melhor significa antes, uma navegação melhor. Precisavamos de uma estruturação melhor, mais bem definida, mais coerente com os ânseios da comunidade EL. Por isso, nos pergutavamos: De onde vinha esta interface caótica?

Pensamos que tal interface caótica vinha talvez da enorme quantidade de anseios feitos por muitas pessoas muito diferentes, da vontade de abraçar o mundo e de ter todo o tipo de conteúdo. Talvez seja isso que leva nosso EL a ter:

- wiki
- tags
- blog
- fórum
- stream(ao vivo)
- acervo de aúdio, vídeo, gráfico, textos, programas e mais ...

Ou seja, tínhamos peças desconexas de um quebra cabeça. Como integrar essas coisas? Como transformá-la em uma interface coerente sem constrangir o usuário a fazer o que os desenvolvedores ou a comunidade quer? Como deixar o usuário livre ao navegar e ao mesmo tempo, propor um estilo de navegação?

Por isso, empreendemos um estudo sobre a arquitetura da informação e posteriormente, a arquitetura de navegação, que aqui apresentamos.

O que temos de "arquitetura de navegação"


Hoje, o único estilo de navegação que vejo no EL é o que chamo de: "navegação baseada em máquinas de busca".

Alguém procura algo nas máquinas de busca comerciais:

1. Encontra o estúdio livre.
2. Usa as informações, manuais, páginas.
3. Não consegue navegar se não sabe exatamente o que procura.
4. Vai até a página principal, não entende nada. Vaí aos "labs" e entende menos.
5. Vai embora.

É claro que o que eu descrevo acima é através uma perspectiva negativa(e nem todos os casos são assim). Mas, isto nos leva ao seguinte ponto: Não podemos recusar os serviços das máquinas de busca comerciais, se não pensarmos outras formas de navegação e de promoção de conteúdo. Precisávamos pensar uma navegação que não tenha como centro, a máquina de busca.

Pensando um fio condutor.


Em um sítio do estilo do estúdio livre, a principal dificuldade é pensar uma navegação plural. Há muita coisa separada, pouca conectividade poucas interligações e por isso, poucos fios condutores.

Em um sítio wiki, seu fio condutor é justamente o wiki.
Em um blog, seus posts.
Em um fórum, seus posts, discussões e comentários.
Em um acervo, tudo depende do seu tipo de conteúdo e suas coleções. Áudio, Vídeo, ...
Para transmissões ao vivo, ainda temos mais um tipo de fio condutor.

Como agregar tantos tipos de navegações e conteúdos diferentes em um único sítio? Não seria pretensão demais? Como trabalhar em estilo "rizomático", de acordo com o proposto em lista, se temos a pretenção de centralizar todo tipo de informação e produção livre? O que realmente importa não é que as pessoas produzam e distribuam seus conteúdo livremente? Como disponibilizar nossas ferramentas e estruturas sem cobrarmos que tod@s sejam "estúdio livre"? É possível subverter a chancela, a "marca" ou carimbo "estúdio livre"?

Ainda não conseguimos responder algumas destas questões sobre forma e conteúdo. Talvez conceitualmente contraditório. Mas seguimos em frente...

Não tinha citado aqui: outro tipo de proposta de navegação do estúdiolivre é a categorização através de "tags". Vou me concentrar sobre isso, no ítem "proposta de navegação" abaixo:

Desenhos e estudos



Desorganizando para organizar(ou, o contrário).


A foto abaixo, tenta (des)organizar na minha cabeça o EL. No papel, surgem idéias que mais tarde podem ser suprimidas, porém há uma tentativa de pensar, além da interconectividade das coisas, o que é cada objeto, cada tipo de conteúdo que estamos pensando.


Listagens, listagens e mais listagens.


--> Aqui começei a pensar, já no inkscape, a visualização de conteúdos. A maior parte do conteúdo não-wiki, se não todo, são navegados através de listagens. Isso fica evidente na tentativa de uma página inicial não estática:
A idéia que temos na figura é de entender qual tipo de listagem é mais interessante para cada tipo de conteúdo.



--> Depois de pensar a listagem interessante para cada tipo de conteúdo, o difícil encaixe. Abaixo vemos uma navegação por tags, uma listagem transversal conglomerando as listagens de todos tipos de conteúdos.



--> Enfim, uma página de um conteúdo específico. No caso, wiki:




Proposta de navegação do EL2


O que quero expor em uma interface:

A medida em que navegamos pelo estúdio livre, rotacionamos, mudamos nossa perspectiva em relação ao conteúdo e seus conteúdos relacionados. Nosso ponto de partida e nosso ponto de chegada é diverso. Muda, perde-se, acha-se. Nosso fio condutor é ditado pela subjetividade do usuário.

Por isso, para simplificar a interface, os enlaces estáticos que te levam aos lugares são poucos.
A navegação é feita, na maior parte, em relação aos enlaces dinâmicos construídos ao longo da navegação. A navegação dinâmica é feita tão somente de duas maneiras: a navegação por "tags"(rótulos, etiquetas, ou qualquer outro nome) e a navegação direta por conteúdo(que pertence à algum tipo).

1. A navegação por categorias, rótulos ou etiquetas(tags):


Nossa idéia é produzir uma navegação contextual.

Como dito anteriormente, esta navegação contextual é feita por "tags". Por que com "tags"? Pois as "tags" primeramente se relacionam conteúdos da navegação. Depois, as tags são inter-relacionáveis. Uma "tag" puxa a outra, de acordo com sua relevância para o usuário.

Ainda sim, manteremos nossos filtros por tipos de conteúdos: Wiki, Blog, Fórum, Acervo.

A maior parte da interface será aproveitada pelo usuário. Pois ele poderá ter "tags" especiais no esquema de bookmark("add to menu"). Além de "tags", qualquer página poderá ser adicionada a este menu do usuário.

Há uma parte que é a navegação por "tags" da comunidade. Áudio, Video, ... São os LABS de hoje. Porém mais dinâmicos. Por isso pensamos também que: A "tag" poderá ter relação a um nó principal que leva à uma listagem, wiki ou explicação gerenciada pela comunidade. (Veja abaixo o que chamamos de rótulos especiais)

Mas, ainda sim, nossa intenção é produzir uma navegação contextual que seja proposta pelas pessoas e não somente pela comunidade(como acontece hoje a partir dos labs).

Entendendo os rótulos especiais:


Entendemos que as atuais sessões, vídeo, gráfico e áudio serão "tags" especiais propostas pela comunidade.

Estas tags especiais poderão ser selecionadas pela comunidade a qualquer momento. Ao Vivo, também é uma tag especial. Por exemplo, para incluir a tags especial: software & hardware.

Podem existir também, os rótulos especiais propostos pela comunidade.

2. A navegação por conteúdo:


É uma navegação direta pelas sessões de conteúdo: Wiki, Blog, Fórum, Acervo, Usuários.

Há listagens gerais de todos os tipos de conteúdos.

Há listagens do tipo específico de conteúdo.

Mas nela, você também pode escolher, de acordo com cada sessão, a melhor forma de listagem. Ex. últimos, mais acessados, mais/menos votados, títulos.

Desenhando uma interface


(Lembre-se, isso foi feito a partir das cores propostas pela Zoe em MetaIdentidadeZoe.
Eu tão pouco quero brincar com cores. É mesmo somente para ilustrar!)

todo: Ainda quero explicar o movimento dessa tela. O movimento que foi traduzido daquelas imagens ali de cima.


Last modification: 24/08/2007 at 02:44, by: diogo